PESQUISAR NO GOOGLE

Faça sua busca aqui:
Pesquisa personalizada

PESQUISAR NO BLOG

21 de agosto de 2016

Por que alemães aprendem português tão rápido?

Quase todo mundo que estuda alemão já deve ter conhecido um(a) alemã(o) que fala português. Muitos brasileiros fica admirados com essa capacidade de aprender português tão bem enquanto os brasileiros engatinham no alemão depois do mesmo tempo de estudo. Com alguns anos de experiência dando aulas de português para alemães, vou tentar aqui explicar por que isso ocorre.

Mas antes de começar quero deixar claro um ponto: esse tópico não tem o objetivo de "babar ovo" de alemão e de "diminuir" os brasileiros. Com certeza existe alemão que não tem talento nenhum para aprender idiomas e brasileiros talentosíssimos que aprendem alemão rapidamente. Então, que fique claro já de antemão que não se trata de generalizações universais baseadas unicamente na nacionalidade e sim um relato de experiências tanto como aprendiz de idiomas quanto como professor. Se você se sentir ofendido por não se reconhecer no texto, lembre-se: É um RELATO! Não é a verdade universal. Algumas sugestões vêm ao fim do texto.

1) Brasileiros têm mais paciência pra falar com quem sabe pouco a língua
Os alemães têm a sorte de encontrar brasileiros de braços abertos para recebê-los quando chegam ao país. Isso faz com quem qualquer frase do tipo "Eu gostar Brasil" seja recebida com grandes sorrisos. Além disso, o brasileiro comum, aquele que você encontra nas ruas todos os dias não costuma falar outros idiomas muito bem. Então, entendendo ou não, o brasileiro passa a falar português com os alemães. Os brasileiros também não corrigem muito o português dos estrangeiros desde que a mensagem tenha sido entendida. Ou seja, as conversas não costumam ser interrompidas por causa de erros gramaticais.
Muitos brasileiros relatam que alemães não têm a mesma paciência pra quem está começando (Suzana Vieira Feelings). Então uma pronúncia errada, uma insegurança já é motivo para que o alemão comece a falar inglês. Muita gente relata que até mesmo amigos e cônjuges alemães não têm paciência de falar em alemão, o que pode ser frustrante. Fora as situações em que alemães já falam inglês apenas por você ter uma aparência de estrangeiro. Muitos brasileiros que falam pouco alemão acabam indo pro lado mais fácil: acabam formando um grupo de amigos brasileiros na Alemanha e conversam em inglês com amigos alemães.

2) É mais fácil encontrar brasileiros na Alemanha que alemães no Brasil
A Europa é um continente pequeno com muitos países e línguas. Então é muito comum ver em qualquer cidade grande europeia um grande número de pessoas falando diversas línguas, com diversas fisionomias. Então é só escolher um idioma pra aprender que provavelmente você encontrará falantes nativos na sua cidade para praticar. Em qualquer cidade grande alemã há muitíssimos brasileiros. Como os brasileiros que moram na Alemanha também querem aprender alemão acaba sendo muito fácil encontrar pessoas para falar português. E como todo brasileiro tem vários outros amigos brasileiros, basta conhecer um para conhecer vários. No Brasil, a situação é bem diferente. O país tem dimensões continentais. Mesmo que um bom número de alemães esteja no Brasil, em cidades grandes esse número é relativamente pequeno. Mesmo que estivessem agora no Brasil 1.000 alemães procurando alguém para praticar alemão, esse número num país de 200 milhões e com nossa extensão territorial torna a prática com nativos bastante rara.

3) Alemães têm menos medo de falar errado que brasileiros
Eu sei como é, pois também sou brasileiro. Abrir a boca só depois de ter certeza que a frase tá certa. Eu já fui assim. E viver eternamente dizendo que seu inglês, espanhol etc. não é tão bom assim, pois enquanto não souber o dicionário de cor, melhor não abrir a boca. Já falei sobre isso no tópico sobre fluência aqui. Alemães não se importam em dizer coisas como "Minha pai e meu mãe mora em Alemanha". É claro que o ponto número 1 (aquele sobre paciência) pode influenciar também. Mas, na verdade, alemães fazem isso com qualquer idioma. Até mesmo inglês. Falam mesmo. O importante é se fazer entender.
Como professor de alemão me lembro a dificuldade que era de fazer alguém falar com um nativo. Medo de dizer algo e não ser entendido. Se for entendido, era o medo de não entender a resposta. Mesmo de falhar. E a cereja do bolo: muitos brasileiros têm medo de serem ZOADOS (sim, isso mesmo) por outros que não falam o idioma. Sim, como falar idiomas no Brasil ainda não é algo muito comum, tem gente que se sente intimidado por amigos que vão fazer piadinhas do tipo "Tá me xingando?".

4) Alemães têm mais experiência com línguas estrangeiras
Como disse antes, a Europa é um continente pequeno. Algumas horinhas de carro e você já está em outro país, outro idioma, outra cultura. Alemães costumam aprender pelo menos duas línguas estrangeiras na escola (inglês é praticamente obrigatório). Muitos estudantes acabam fazendo viagens aos países onde as línguas são faladas (francês, espanhol e inglês são as mais estudadas). Vi provas de inglês dos alunos que estão fazendo o Abitur (é como o Ensino Médio brasileiro) e eles já fazem redações em inglês. Estudei em escola particular e na aula de inglês fazíamos apenas gramática. A língua não tinha nenhum uso prático além de aprender regras que nunca usaríamos fora da escola (adjetivo antes de substantivo, por favor). A maioria dos alemães que fala português acaba já trazendo uma bagagem do que é realmente aprender um idioma, pois eles já aprenderam a FALAR pelo menos um.
Mas, Fábio, a maioria dos brasileiros que aprende alemão também já fala inglês, não é? (você pode se perguntar isso). É verdade. Alemão quase nunca é o primeiro idioma estudado pelos brasileiros. Mas o nosso jeito de estudar línguas (aprender inúmeras regras gramaticais antes de abrir a boca) faz com que muita gente desista antes mesmo de tentar. Além disso, tem muita gente que aprendeu inglês fazendo intercâmbio nos EUA que acha que vai chegar na Alemanha e aprender alemão apenas por estar no país, sem muito esforço. Só que a realidade aqui é outra (ponto número 1).

5) Muuuuuuuuuuitos alemães que aprendem português já falam (ou estudaram) espanhol
Espanhol é uma das línguas mais estudadas nas escolas alemãs, depois com inglês e francês. Pelo menos 50% (às vezes 80%) das minhas turmas de português já sabem espanhol ao começar com o português. Querendo ou não, saber espanhol acelera imensamente a rapidez com que se aprende português. A gramática é bastante parecida, muito do vocabulário é idêntico e pra melhorar tudo isso: Alemães podem falar espanhol portunhol no Brasil e serem entendidos. Ou seja, ponto pra eles.
Infelizmente, das línguas nacionais europeias, a mais próxima do alemão seria o neerlandês (holandês), mas não é muita gente que estuda holandês no Brasil. Brasileiro está em desvantagem nessa hora. Mas não fiquemos tristes, brasucas. Estamos em vantagem na hora de aprender diversos idiomas latinos: espanhol, italiano, francês etc. são mamão com açúcar pra quem fala português (em comparação com idiomas de outras famílias).

6) A gramática do português no nível inicial é mais fácil 
Todas as línguas têm suas dificuldades. Acreditem, os alemães também sofrem para aprender muita coisa do português. Diferenciar vários tempos do passado (Perfeito, Imperfeito, Mais-Que-Perfeito), aprender a usar o subjuntivo e diversas conjugações irregulares (vou, vai, fui, foi, ia, vá, vão, fosse, foram etc.) A pronúncia do português também não é nada fácil (sons nasais, letras que se pronunciam diferente do que estão acostumados etc.). E pra melhorar tudo isso, ainda têm que aprender a língua culta e a linguagem informal. Então não duvidem da complexidade que é aprender português.
Mesmo assim, pra quem está dando os primeiros passos no idioma, o estudante de alemão recebe muito mais desafios que um estudante de português. Um estudante do primeiro semestre de alemão já tem que memorizar três gêneros sem muitas regras, diversas formas de plural, declinações inexistentes no português, um ordem de palavras diferentes. E isso só pra começar.Isso tudo pode dar um certo desânimo.
Mas antes de botar a culpa no próprio idioma, é importante lembrar do ponto número 5 (alemães já aprenderam gramática do espanhol, o que ajuda a entender a gramática do português de forma bem mais rápida) e do ponto número 3 (brasileiros poderiam abrir a boca mesmo errando no início). Então nada de desespero. Não desistam antes de começar a usar a língua para conversar. Essa é a parte mais legal de se saber um idioma, é usá-lo para conversar.

7) Estudantes alemães adultos assumem a responsabilidade sobre o seu aprendizado
Minha experiência como professor de português na Alemanha é que a maioria deles sabe porque está na aula. Isso os torna muito mais focados nos estudos. Alguns chegam já dizendo "Eu vou fazer um intercâmbio no Brasil ano que vem e preciso aprender o máximo possível" ou "Eu tenho uma namorada brasileira e quero poder conversar com a família dela". Pronto! Isso já é suficiente para eles focarem em estudar incansavelmente vocabulário, gramática etc. Isso não quer dizer que todo estudante alemão passa o dia inteiro estudando português. Mas a maioria dos meus alunos estuda, faz exercícios etc. Eu tenho pouquíssimos problemas de falta de motivação nas minhas turmas. No Brasil, se professor de língua não cantar, dançar, fizer coreografias, mostrar filmes, contar piadas etc. é difícil obter a atenção do aluno. É a famosa aula-show. E mesmo com todo esse esforço boa parte ainda espera aprender a língua apenas dentro do curso. Ainda reina no Brasil aquela ideia de "estudar pra passar na prova" e não pra usar a língua. Enquanto o alemão está lá todo focado em aprender pra usar o idioma numa viagem ao Brasil, o brasileiro está tentando decorar o que ele precisa saber pra passar na prova. Isso faz uma grande diferença. É uma diferença cultural. O estudante alemão adulto assume a responsabilidade sobre o seu aprendizado enquanto o brasileiro ainda espera que o professor o faça aprender aquele idioma. É claro que há casos e casos. Tenho inúmeros ex-alunos maravilhosos no Brasil também (se algum deles estiver lendo isso, um abraço!). Mas no Brasil ainda há uma cultura muito forte de culpar o professor pelo fracasso de alunos adultos.

Vou dar aqui algumas sugestões:

1) A melhor dica é já vir pra Alemanha já tendo noções de alemão (eu diria nível A2 no mínimo). Mas caso você tenha vindo sem saber (quase) nada, pule pra próxima dica.

2) Se você falar alemão e a pessoa responder em inglês, peça-lhe que responda em alemão e diga que você está tentando aprender o idioma. Peça também um pouco de paciência (Geduld!) e compreensão (Verständnis!). Quase sempre dá certo. Se não der, reflita um pouco sobre que tipo de "amigo" é esse que não quer te ajudar a melhorar no idioma. :-) Mesmo num restaurante, pedir pro garçom falar alemão sempre dá certo. (A não ser que o restaurante esteja incrivelmente cheio e o garçom não tenha um segundo a perder).

3) Se o seu nível de alemão ainda for baixo ou você se sentir insegur@, procure praticar alemão primeiro em situações mais focadas no aprendizado (que é o caso do Tandem!). Tandem é o termo utilizado para uma bicicleta para duas pessoas pedalam. Mas também é utilizado para "intercâmbio linguístico", onde duas pessoas se encontram para praticar idiomas (por exemplo: um alemão que quer praticar português brasileiro se encontra com um brasileiro que quer praticar alemão).
Há muitas maneiras de se conseguir
Lembre-se: Tandem não é aula de idioma. As pessoas não precisam saber explicar gramática nem dar aula. O Tandem é uma forma de poder praticar a língua que você está aprendendo. O/A alemã(o) que procura os encontros de Tandem vai estar pronto pra ouvir o seu alemão, mesmo com erros, já que ele/ela mesmo(a) vai querer praticar português depois. Então é uma chance de você abrir a boca sem medo de errar e ainda contar com uma ajuda para melhorar.
Há várias plataformas de Tandem. Se você morar na Alemanha procure o centro de línguas da sua universidade. Provavelmente eles vão ter cadastro de pessoas procurando tandem. Caso você more no Brasil, poderá tentar sites como Tandem Partners ou o Tandem Exchange. Mas eu também sugiro tentar encontrar pessoas em sites de aprendizado de línguas como o italki ou Duolingo. Lá também você pode encontrar pessoas dispostas a praticar línguas com você.

4) Mantenha o foco de que você está estudando alemão pra SE COMUNICAR! Não desista antes de atingir esse objetivo. Não estude apenas para dominar regras. O seu objetivo não é ser um expert em acusativo e dativo. O seu objetivo é usar as regras como ferramentas para a comunicação. Concentre-se naquilo que você quer aprender a dizer. Não adianta saber palavras difíceis do alemão que ninguém usa e não saber nem dizer qual a sua profissão. Comece aprendendo a falar sobre você, sobre sua família, sobre o seu dia etc. e vá progredindo até conseguir falar sobre diversos assuntos.

5) Abra a boca, mesmo que contenha erros. Não tenha medo de dizer "Minha pai" nem "Eu gostar". Tente encontrar um meio de ser entendido.
No entanto, aprenda com as correções. Há determinadas pronúncias que causam confusão. Então esforce-se para pronunciar as coisas de forma clara. Não é só o seu interlocutor que tem que se esforçar para entender o seu alemão. Você também tem que fazer a sua parte e se esforçar.

6) Pare de culpar a gramática da língua ou os alemães pelo seu fracasso no aprendizado da língua. Não é a língua alemã que é difícil demais. Todas as línguas têm suas dificuldades. Algumas pessoas precisam de mais tempo outras de menos tempo. Mas todas precisam se esforçar.

7) E por fim... não ligue para o tempo. Umas pessoas aprendem alemão em meses, outras em 1 ano, outras precisam de vários anos. O mais importante é a constância. Cada pessoa tem o seu tempo. 

11 comentários:

  1. Legal a dica, realmente você tem razão. Eu perdi a vergonha de falar errado e isso tem me beneficiado bastante, pois vou corrigindo a pronuncia e a gramática à medida que aprendo. Outra coisa que decidi é que toda vez que eu terminar um nível, irei fazer uma prova de certificação, para uma autoavaliação e estudar mais onde eu estiver com falhas.
    Outra questão é que você diz para ir para a Alemanha no mínimo com o A2. Estou no A1.2 e irei para a Alemanha passar sessenta dias estudando e depois passeando, mas até terei finalizado o A2.1. Você acha que é suficiente ou necessito terminar o A2.2 aqui no Brasil também?
    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me referi mais a vir para morar. Mas se for só a passeio, venha com qualquer nível de alemão. Um turista não tem que saber falar todos os idiomas dos países que visita. :-)

      Excluir
  2. Bom dia!

    Achei o artigo super bacana! Valeu!

    Eu estou faz 1 ano em Berlim e há 9 meses fazendo aulas, terminei agora o nível B2, mas infelizmente não me sinto B2, mas é isso mesmo, tem que continuar e se esforçar.

    ResponderExcluir
  3. "Enquanto o alemão está lá todo focado em aprender pra usar o idioma numa viagem ao Brasil, o brasileiro está tentando decorar o que ele precisa saber pra passar na prova. Isso faz uma grande diferença. É uma diferença cultural."
    A mais pura verdade. E falo por mim mesma, que me encontro no meio da graduação em alemão, tendo passado em todas as disciplinas de língua alemã, mas não me sentindo a vontade nem de participar das atividades de conversação porque não passo do clichê "nome, idade, profissão, hobby"

    ResponderExcluir
  4. um dos aspectos da facilidade é o vocabulário reduzido que o falante de português brasileiro apresenta. Se utiliza um verbo para diversos significados, que não era o significado desse verbo, além de substantivos, adjetivos entre outros. Além disso, o brasileiro, em sua maioria, sempre vê o lado positivo, tenda elevar a autoestima, o alemão, no geral, ressalta sempre o déficit.

    ResponderExcluir
  5. Querido, primeiramente, retribuo o abraço que vc dedicou aos seus ex alunos!! Gostei da sua observação sobre a responsabilidade com o idioma. Eu era muito focado em aprender alemão e via que as pessoas não aprendiam não por falta de habilidade, mas pq levavam o curso como uma cadeira inútil de faculdade. E vc sabe que eu tenho outros três idiomas estrangeiros na bagagem; isso ajuda a entender esse tipo de comportamento que se repete. Lembro que até o quinto,sexto semestre, eu fazia um glossário com os gêneros e os plurais das palavras e ficava lendo e relendo pra tentar fixar. Isso me ajudou a formar um vocabulário. Outra dica de que gostei foi a de se comunicar a qualquer custo. Eu sempre falo isso pras pessoas que me perguntam sobre idiomas: Fale sem medo de errar. Só o fato de vc estar tentando, já é muito válido! Sempre que dá, eu passo aqui no seu blog! Um forte abraço!

    Ps: aber jetzt bist du aus Kanada!? Urlaub? Oder denkst du nach da wechseln?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hi, Andrew, danke für deinen Kommentar :-)

      Ja, ich war in Kanada. Es ist auf jeden Fall eine Reise wert :-)

      Excluir
  6. Eu adorei suas dicas. Vc sempre tem algo bacana e incentivador para nos dizer. Nós, pequenos aprendizes desse belo idioma que é o alemão.
    Mas eu discordo em partes de vc em relação aos professores.
    Em relação aos professores de alemão, eu não gostei mto dos métodos de ensino que eles usam aí na Alemanha. Talvez eu tenha dado azar! Penso que o professor está altamente ligado ao sucesso do aluno sim. Claro que se o aluno não dedica e não se esforça, a culpa de não aprender o idioma está totalmente ligada ao aluno.
    Mas já tive professores sem didática nenhuma aí na Alemanha. O ser nem levantava da cadeira pra escrever no quadro. Quando os alunos da minha sala de A1 não entendiam o que ela(a professora) dizia, a abençoada soletrava a palavra. E um detalhe: Ela só foi passar o alfabeto alemão ensinando as pronúncias das letras no final do A1 e isso pq eu pedi a ela. Tive que conversar com ela e explicar que alguns alunos da sala nunca tinham tido contato com a língua na vida. Meu amiguinho do Afeganistão ficava super pra baixo, pq ele não entendia nada. Ele falava "zivê" ao invés de "zwei". Não tinha a mínima noção de alemão. Eu sentei com ele algumas vezes e expliquei o básicão do A1 pra ele. E a escola era considerado como de qualidade e era meio cara. 610€ para dois meses de curso intensivo.
    Eu realmente acho, que se em uma turma mais da metade dos alunos vai mal e não entendem a matéria, o professor tem culpa no cartório sim.
    Eu adoro aprender línguas, sou bem dedicada e honestamente, durante essa minha andança pelo mundo a fora, cheguei à conclusão: os professores de idiomas brasileiros são mto bons. Em geral, achei mais fácil aprender uma língua nova com um prof. brasileiro que com um prof. gringo.
    Já tive tanto professor gringo ruim, que tomei trauma. Já tive bons professores gringos tb, mas nenhum superou a maioria dos meus profs basucas.
    Mas enfim... Essa foi a minha experiência, morando 3,5 anos na Europa (Irlanda e Alemanha). Tava morando na Alemanha, mas resolvi voltar pro Brasil e aprender alemão aqui. Gastei mto dinheiro com estudo de alemão na Alemanha e obtive pouco sucesso. Eu estudava em média 8 horas/dia sozinha e mais 3 horas de segunda a sexta na escola. Agora já estudando alemão no Brasil, ficou tudo mais fácil. Até falar que era uma coisa impossível pra mim na Alemanha, aqui no Brasil está se tornando uma realidade. Me sinto bem mais confiante com o idioma agora. Já consigo entender textos mais complexos também.
    Talvez eu seja uma exceção à regra. Mas eu altamente recomendo pra quem tá pensando em fazer intercâmbio em qlqr país, vá apenas depois de ter terminado o intermediário. Dessa forma, vc aproveita muito mais o intercâmbio e evita muitas situações chatas, como só perceber que o seu trem não vem mais, depois de uma hora esperando o danado. Hahahaha


    Parabéns pelo site! Adoro ler o que vc escreve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, concordo.
      Há profissionais ruins em todas as áreas e dá para dizer que um professor ruim não cumpre a sua função básica como ferramenta de aprendizado.

      Eu tb tive essa impressão de que muitos professores alemães não seguem noções básicas de didática/motivação. Nesse caso os professores brasileiros já estão a anos-luz. Mas lembrem-se: alunos alemães também vêm de outra tradição de ensino. Talvez por isso, eles tratem os estrangeiros da mesma forma. E nós, brasileiros, temos outras expectativas de uma aula "animada, motivadora". Alemães parecem se contentar mais com aulas frontais. Impressão minha.
      Quanto ao meu comentário sobre professores, claro que estou me referindo aos bons profissionais. No Brasil ainda há a ideia de que a culpa do fracasso do aluno é SEMPRE do professor. Escolas de línguas babam os alunos (porque eles pagam) e professores são demitidos da noite pro dia.

      Excluir
  7. muito legal esse post! isso dos alemães não terem vergonha e os brasileiros não interromperem a conversa por causa dos erros é total verdade (o que tem o lado negativo do alemão aprender a falar errado)! acontece muito comigo e meu namorado... e agora que estou engatinhando com minhas primeiras frases, tenho buscado falar mesmo que errado. geralmente ele me conserta, mas busco ver o lado positivo do aprendizado... ele tem muitos vícios de linguagem errados, aos poucos vou ensinando a ele e repetindo até pegar o certo... vou usar suas dicas no meu aprendizado, abraços!

    ResponderExcluir
  8. Concordo em 100% em tudo que foi dito, sempre achei que alemães tinham uma facilidade para aprender línguas ou eram mais inteligentes que outras pessoas, ou pelo fato de o idioma alemão ser difícil eles tinham mais facilidade, e acontece que é uma questão cultural mesmo, eles são mais focados, tem um objetivo, sabem que somente com o professor não é possível adquirir esse objetivo, se dedicam extra-classe e todos os exemplos citados acima. Acho que o que foi citado se traduz em tudo que os alemães fazem. Existe uma comunidade gigante de Forró na Alemanha, eu já vi Alemães, homens e mulheres que dançam de cair o queixo, alguns até dão aula. Tudo porque são apaixonados pela dança e dedicam ao extremo para aprendê-la.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...