PESQUISAR NO GOOGLE

Faça sua busca aqui:
Pesquisa personalizada

PESQUISAR NO BLOG

2 de fevereiro de 2014

Como usar a vírgula em alemão

Aviso: o tópico é extenso. É melhor você separar um tempo para ler com calma.

Muita gente vinha me pedindo para escrever um tópico sobre o uso da vírgula.
Em alemão a vírgula se chama "Komma", mas na Áustria é também chamada de "Beistrich".

Antes de começar o tópico preciso esclarecer um mal-entendido sobre a vírgula. É comum no Brasil dizerem que a vírgula marca uma "pausa na fala". Não sei se isso é culpa das professoras da escola primária que tentam dar uma explicação fácil para as crianças, mas só sei que essa história de "vírgula" = "pausa" é uma história bem mal contada. Para eu ensinar as regras da vírgula em alemão, gostaria de desfazer o mito dessa equação "vírgula = pausa".

A vírgula não é um fenômeno fonético, mas sintático. Não tem a ver com pausas na fala. Vejamos um exemplo em português.

Você liga pra sua mãe e diz "Oi, mãe". A grande maioria das pessoas não faz nenhuma pausa entre "oi" e "mãe". A vírgula está lá para marcar o "vocativo", ou seja, um chamamento do interlocutor. Seria muito estranho ouvir alguém dizendo "Oi (pausa dramática) mãe".

Outro exemplo: "João, Paulo e Maria foram à escola". Em frases assim as professoras da escola primária costumam exagerar na pausa lendo "Pedro (pausa dramática) Tiago e Maria". Mas na fala normal, muitas pessoas (creio que seja a maioria) não faz essa pausa entre "João" e "Paulo". Para não pensarmos que "João Paulo" se trata de uma pessoa só, a gente pronuncia cada nome de forma tônica, enquanto no caso de uma pessoa com o nome "João Paulo" a gente lê quase como se fosse um nome só "Joãopaulo". Essa historinha da "pausa" é meio furada. A vírgula entra aí para separar termos exercendo uma mesma função sintática. No caso, o sujeito desta oração é composto de três termos independentes, separados por vírgula e pela conjunção "e" antes do último termo. Apenas quis mostrar aqui a ponta do iceberg.

Não vou aqui explicar todas as regras da vírgula do português, mas tenham em mente que, mesmo em português, as regras da vírgula são baseadas em regras de sintaxe ou em ideias da linguística textual (estilo, ênfase de termos etc.), não em regras de pronúncia. (Teria que dar uma lida em todas elas pra ver se há exceções quanto a isso, mas isso não é importante agora, pois o assunto é língua alemã). Percebe-se claramente que a vírgula é usada para indicar determinadas funções sintáticas que certos termos exercem numa frase ou que certas orações exercem num período composto.  Se vírgula fosse pausa, qualquer frase longa sem vírgulas deveria ser lida sem pausa pra respirar. Já pensou?

Com isso em mente, voltemos à língua alemã.

Cada língua define quais termos sintáticos devem ser separados por vírgula, o que nem sempre coincide com o português.

Neste tópico não vou citar TODAS as regras da vírgula. Vou falar principalmente sobre a vírgula entre orações e termos
ou casos que podem causar problemas para falantes de português. Vamos às principais regras do alemão que podem deixar brasucas e portugas confusos:

REGRA 1: Usa-se vírgula para separar a oração subordinada da oração principal. Caso a oração subordinada venha depois da oração principal, põe-se a vírgula antes da conjunção subordinativa ou do pronome relativo (no caso das orações relativas). Caso o pronome relativo seja acompanhado por preposição, põe-se a vírgula antes da preposição.

Como falei antes, a lógica é sintática! Por isso, vale relembrar as aulas de análise sintática.

Uma oração subordinada é aquela que não é independente, pois faz parte de uma oração principal. É fácil reconhecer as orações subordinadas, pois as conjunções subordinativas fazem o verbo conjugado ir pro final da oração.

Em português temos: "Eu sei que ela mora aqui."
No caso "que" é a conjunção subordinativa, a oração subordinada é "que ela mora aqui". Esta funciona como objeto direto do verbo "saber". Perceba que em português não há vírgula.

Em alemão separa-se a oração principal da oração subordinada por vírgula. A vírgula vem ANTES da conjunção subordinativa "dass". O verbo conjugado aparece no fim da oração subordinada.
Eu sei que ela mora aqui.
Ich weiß, dass sie hier wohnt. 

REPITO! Vírgula não quer dizer "pausa". Você pode ler a frase em alemão sem pausa alguma entre "weiß" e "dass". A vírgula aqui marca apenas o início de uma oração subordinada.

Caso a oração subordinada venha antes da principal, a vírgula aparece depois do verbo conjugado, marcando essa separação.

Já que ela se mudou, você pode ficar com a cama na qual ela dormia. 

Aqui temos três orações.
Oração principal: Você pode ficar com a cama na qual ela dormia.
Oração subordinada: Já que ela se mudou (Conjunção: Já que)
Além disso, na oração principal temos uma oração relativa: na qual ela dormia

Sendo assim, em alemão todas estas orações serão separadas por vírgula.

(a) Da sie ausgezogen ist, kannst du das Bett haben, in dem sie geschlafen hat.

Neste último exemplo, ainda seria possível colocar a oração relativa "in dem sie geschlafen hat" logo após o substantivo "Bett", mas eu aprendi que se deve evitar deixar uma palavra sozinha depois da vírgula. É preferível terminar a oração anterior para não deixar uma palavra sozinha depois da vírgula. Mas pra quem quiser saber como ficaria (tanto (a) quanto (b) estão corretos):

(b) Da sie ausgezogen ist, kannst du das Bett, in dem sie geschlafen hat, haben. 

Um período em português com uma única vírgula, pode ter várias vírgulas em alemão, dependendo de quantas orações o compõem. Todas as orações subordinadas (incluindo as orações relativas) são separadas por vírgulas. Além disso, em alemão não se faz a diferença entre oração explicativa (com vírgula) e restritiva (sem vírgula). O contexto pode ajudar. Em último caso pode-se usar também outra pontuação para marcar a oração explicativa (como travessões ou parênteses), caso seja extremamente necessário marcar essa diferença.

Observação: Mesmo nos casos em que a conjunção "dass" pode ser omitida, como ainda se trata da mesma função sintática, a vírgula continua.

Ich weiß, dass sie hier wohnt.
Ich weiß, sie wohnt hier. 


REGRA 2: A vírgula é obrigatória para separar orações reduzidas de infinitivo (Infinitivo + ZU) em alguns casos e facultativa em outros. Na dúvida, use a vírgula. 

Quando houver um "infinitivo + ZU" há de se observar os seguintes casos:

a) Obrigatória quando a oração começar por "um, ohne, statt, anstatt, außer, als":

"Was hast du gemacht, um Deine Angst zu überwinden?"
"O que você fez para sobrepujar/superar o seu medo?"

"Ich habe den Text gelesen, ohne ihn zu verstehen". 
"Li o texto sem o entender"


b) Obrigatória quando o "infinitivo + ZU" for complemento de um substantivo:

"Hast du Interesse, an diesem Projekt teilzunehmen?"

Explicando melhor: A pergunta é "Você tem interesse?". "Interesse" é um substantivo. A pergunta que se faz é "Interesse em quê?". O que vem depois disso é um complemento do substantivo "interesse" (interesse em participar deste projeto). Por isso, a vírgula separa esse grupo "an diesem Projekt teilZUnehmen).

O mesmo valeria para frases com "Hast du Lust, heute ins Kino zu gehen?" (Você tem vontade de ir ao cinema hoje?) A explicação é a mesma. A oração é complemento do substantivo "Lust" (vontade).

c) Obrigatória quando o "infinitivo + ZU" estiver relacionado com um "Korrelat" (por exemplo, "es", "das" ou "da + preposição" como em "damit, darauf, daran etc.")

"Ich liebe es, Deutsch zu lernen".
"Deutsch zu lernen, das mag ich sehr".
"Wir freuen uns darauf, dich zu treffen".

Os "Korrelate" são palavras que indicam que algo foi ou será mencionado em outra oração ou em outra parte do texto. Posso escrever mais sobre isso num tópico futuro.

d) Facultativa nos casos (b) e (c) quando o "infinitivo + ZU" for composto apenas do "verbo" + zu, sem complementos.

"Hast du Lust, Deutsch zu lernen?" -- Aqui a vírgula é obrigatória.
"Hast du Lust(,) zu lernen?" -- Aqui é a vírgula é facultativa, pois o verbo está sozinho com o "zu".

"Ich liebe es, Deutsch zu lernen" -- Obrigatória.
"Ich liebe es(,) zu singen" -- Facultativa.

Nos casos mencionados em (a) a vírgula é SEMPRE obrigatória.

e) Facultativa em quaisquer casos não mencionados.

Por exemplo: Digamos que você queira escrever "Eu tentei aprender alemão".

Ich habe versucht = Eu tentei
Deutsch zu lernen = aprender alemão (Infinitivo + ZU)

Como já mencionei acima, é melhor evitar que uma palavra fique sozinha depois da vírgula, por isso é mais comum não colocar o infinitivo entre "habe" e "versucht". É melhor terminar a frase primeiro. Mas não estaria errado colocar no meio. A pergunta que se faz é: com vírgula ou sem vírgula?

a) Esse grupo começa com "um, ohne, statt, anstatt, außer" ou "als"? Não!
b) "habe versucht" é um substantivo? Não!
c) A oração tem um Korrelat (es, darauf, daran etc.) ao qual a oração reduzida de infinitivo se refere? Não!

Então a vírgula é FACULTATIVA.

"Ich habe versucht, Deutsch zu lernen". ou "Ich habe versucht Deutsch zu lernen"

Quem preferir, pode colocar a frase no meio (apesar de ser menos comum):
"Ich habe, Deutsch zu lernen, versucht" ou "Ich habe Deutsch zu lernen versucht".

Dica: Já que sempre é possível usar a vírgula para o "Infinitiv + ZU", na dúvida, use-a! :-)
Dica 2: Quando sobrar só uma palavra depois da vírgula, prefiram terminar o pensamento antes de continuar. É fácil lembrar de dizer "versucht" depois de uma frase pequena como "Ich habe Deutsch zu lernen versucht". Mas na hora de dizer frases mais longas numa conversa (como "Eu tentei abrir a porta do carro vermelho da minha mãe que estava estacionado na rua Goethe atrás da catedral") vocês vão perceber que é melhor ir terminando os seus pensamentos logo. :-)

Para saber mais sobre o uso de "Infinitivo + ZU", clique aqui.

REGRA 3: Orações adversativas (com aber, sondern, doch, jedoch) etc. são separadas por vírgula. Com outras conjunções coordenativas (und, oder, entweder...oder, weder...noch, sowohl...als auch etc.) não se usa a vírgula. 

Ich wohne in Bremen, aber ich arbeite in Hamburg. (Vírgula antes de conjunções coordenativas adversativas)
Ich wohne und arbeite hier. 
Möchtest du arbeiten oder willst du lieber feiern?
Er möchte nicht arbeiten, sondern feiern. (Vírgula antes de conjunções coordenativas adversativas)

Assim como em português, há casos em que se pode usar vírgula antes de "und". Não vou aqui listar todos os exemplos:

Ich habe gesagt, dass ich kommen würde, und habe mich verabschiedet.

Na frase acima, a vírgula é usada para separar a oração subordinada "dass ich kommen würde", coincidentemente uma vírgula ficou antes de "und".

Além disso, a pessoa pode usar a vírgula antes de "und" (ou de outras conjunções) para facilitar a compreensão:
Der Direktor redet mit seiner Sekretärin, und ihrem Mann gefällt das gar nicht. 

Para evitar facilitar a compreensão de que "ihrem Mann" pertence à frase seguinte, pode-se usar uma vírgula antes de "und" (ou de outras conjunções coordenativas que são usadas sem vírgula).

Quando essas conjunções vierem antes de conjunções subordinativas ou pronomes relativos, a vírgula vem ANTES de todo o grupo.

Eu não gosto muito dela, mas quando estou na sua casa, ela é sempre muito educada.
Ich mag sie nicht so sehr, aber wenn ich bei ihr zu Hause bin, ist sie immer sehr höflich. 


Perceba que a vírgula ficou antes do "aber wenn", não precisa colocar mais uma vírgula antes do "wenn".

Caso seja uma conjunção que não peça vírgula antes de uma oração subordinada, não se usa a vírgula.

Bei Glatteis oder wenn es stark regnet, gehe ich nicht zur Arbeit. 

Antes de "oder" não se usa vírgula. Por isso somente a vírgula ao da oração subordinada é mantida. Se mudássemos a ordem, ficaria assim.

Wenn es stark regnet oder bei Glatteis gehe ich nicht zur Arbeit. 
(Sem vírgula, pois não se usa vírgula antes de oder)
Ich gehe nicht zur Arbeit, wenn es stark regnet oder bei Glatteis. 
(Vírgula antes da oração subordinada iniciada por wenn, mas não antes de oder)

Bem, vou parar de complicar esse ponto 3 e vamos à regra 4.

REGRA 4: Não se usa vírgula para separar os elementos da posição I e II da oração, a não ser que a posição I seja ocupada por uma oração completa. 

Essa é a regra da vírgula que mais faz brasileiros errarem.

Em português, quando trazemos um elemento para o início da frase ou queremos dar ênfase, é comum usarmos a vírgula. Por exemplo:

Infelizmente, você não passou na prova. 

Essa vírgula depois de "infelizmente" não é obrigatória, mas é possível em português.
Em alemão não dá pra fazer isso, pois quando colocamos o "leider" (infelizmente) na posição I, ocorre uma inversão do sujeito e verbo. Não dá pra deixar esse "infelizmente" de fora da oração.

Leider hast du die Klausur nicht bestanden. 
(sem vírgula, pois o "leider" ocupa a posição I e o verbo conjugado ocupa a posição II)

O mesmo vale para todas as outras palavras que ocuparem a posição I:

Heute gehe ich später nach Hause.
In Brasília findet gerade eine Demonstration statt.
Jeden Tag sehe ich fern.

Muitos alunos meus querem colocar uma vírgula para fugir da inversão. Querem fazer coisas do tipo "Jetzt, ich lerne Deutsch" como se colocando uma vírgula o "jetzt" não fizesse mais parte da frase. Isso se chama gambiarra. Mas essa gambiarra não dá certo, pois em alemão o advérbio de tempo ocupa a posição I, não se usa nenhuma vírgula e faz-se a inversão. "Jetzt lerne ich Deutsch".

Exceção 1: Quando a posição I for ocupada por uma oração, usamos a vírgula.

Wenn du zu Hause bist, kannst du mich gerne anrufen.
(Nesse caso toda a oração temporal ocupa o espaço que um advérbio de tempo ocuparia).
Mas se trocarmos por um advérbio de tempo, não se usa vírgula:
Heute Abend kannst du mich gerne anrufen.

Exceção 2: A palavra "also" pode entrar na gambiarra, mas tem uma ligeira diferença.

Also seguido de vírgula = sem inversão. Significa "então, pois bem, olha", num sentido parecido ao "Well,..." do inglês.
Also não seguido de vírgula = ocupa a posição I (tem o sentido de então, logo, portanto etc.) .

"Wir hatten kein Geld, also mussten wir kreativ sein"
(Não tínhamos dinheiro, então tivemos que ser criativos)

Sem vírgula após also. Por isso, a inversão "verbo + sujeito" é feita ("mussten wir")

"Also, ich muss sagen, ich bin mit meinem Handy-Vertrag überhaupt nicht zufrieden".
"Olha, tenho que dizer que não estou nem um pouco satisfeito com meu contrato para celular". 

Vírgula após also. Por isso, a inversão não ocorre ("ich muss").

Para o tópico não ficar grande demais, prefiro ir terminando por aqui. Com isto, já dei uma boa ideia dos casos que dão mais trabalho para estudantes lusófonos. Não vou citar aqui todas as outras regras de vírgula (com datas, com adjetivos, com apostos, com vocativos etc.). Isso vai ficar para um próximo momento.

Quem quiser ler as regras oficiais de ortografia em alemão, é só clicar aqui. As regras da vírgula (e de outros sinais de pontuação) estão explicadas a partir da página 78.

Caso ainda haja perguntas, é só postar nos comentários.

23 comentários:

  1. Muito longo cara... Tente ser mais sucinto nos posts, critica construtiva (Brasileiro, geralmente, nao entende isso).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não achei longo. Prefiro assim com vários exemplos e principalmente quando ele faz paralelo com a língua portuguesa, fica mais fácil de entender.

      Excelente explicação sobre o uso da vírgula!

      Excluir
    2. Longo???
      Ele ta tentando explicar algo complexo com uma linguagem mais acessivel fazendo paralelo com o portugues e tu vem dizer que ta longo?
      por favor né

      Excluir
    3. Não achei longo. Ele pegou um tema e abordou-o completamente. Assim é melhor, pois se não leríamos o texto, após um tempo acharíamos ter dominado o assunto e faltaria alguns tópicos ainda. Mas já vi o Fábio fazer tópicos não tão abrangentes porém mais específicos. É só procurar.

      Excluir
    4. Juliano,

      das war ziemlich dumm, muss ich sagen. Der Blog macht es viel einfacher, das Thema zu verstehen, wenn es lange ist, soll einen Grund dafür geben. Kannst du bitte zumindest verstehen, was ich hier schreibe?

      Excluir
    5. Claro que brasileiro entende crítica construtiva, quando a crítica é, de fato, construtiva. Acha mesmo que "Muito longo cara" é construtivo? Para mim, isso é piada, sinceramente.

      Não dá para ser sucinto quando se aprende um idioma, seja ele qual for. Idiomas são disciplinas extremamente complexas e merecem explanações esmiuçadas. É exatamente por esse motivo que acho este blog espetacular, porque não nos poupa da profundidade do alemão.

      Desculpe-me pela rigidez, mas acho que você deveria aprender alemão com livros do tipo "Aprenda alemão em 3 semanas". Parece-me ser a sua onda.

      Excluir
  2. Muito legal, adorei! Esses seus posts dá pra ver que são trabalhosérrimos, são verdadeiros capítulos prontos de livro. E muito bem explicados... já pensou em juntar os melhores tópicos em um livro? Ainda que não haja editor (duvido) você poderia montar e vender no Blurb! Ia ser um sucesso, tenho certeza. Parabéns! Abraços

    ResponderExcluir
  3. Juliano, não tem como ser tão sucinto se o tópico é longo naturalmente. Mesmo porque tem MUITO mais regras que, como ele falou, não citou porque aí sim ficaria longo.

    ResponderExcluir
  4. Juliano, não tem como ser tão sucinto se o tópico é longo naturalmente. Mesmo porque tem MUITO mais regras que, como ele falou, não citou porque aí sim ficaria longo.

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo,
    meus parabéns por esse blog. Um trabalho maravilho que voce faz, ajudando e informando pessoas que precisam. Estudo alemao no Instituto Goethe Rio e meus professores sempre elogiam quando levo algo que aprendi em seu blog. São sempre informações corretas e bem colocadas. Não só sobre a língua, como também sobre a cultura e vivencia.
    Graças a seu blog, hoje estou muito familiarizado com a lingua alema, o que é dificil, pois o contato com ela é mais dificil que portugues ou ingles.
    fico muito grato pela sua ajuda, e espero por um novo post.
    Abraços.


    Agora, Juliano,
    Longo???
    Ele ta tentando explicar algo complexo com uma linguagem mais acessivel fazendo paralelo com o portugues e tu vem dizer que ta longo?
    po cara, se tu cansou de ler, pára, e le depois. simples.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns! Didático, simples e funcional.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Grande Fábio! Excelente tópico, como sempre. Me tirou a dúvida que eu tinha quanto ao uso da vírgula em construções com Infinitiv+zu e aprendi muito mais também!
    Mas tem uma passagem em que você cometeu um erro de vírgula no português mesmo: "Um período em português com uma única vírgula, pode ter várias vírgulas em alemão [...]" não se separa sujeito de verbo com vírgula :p (eu não resisto... ainda mais o tópico sendo sobre vírgula! leve isso na esportiva, sim?)

    PS: Coitado do Juliano se lesse um artigo desses escrito por mim... Eu não faço a menor questão de me resumir. É muito melhor um artigo longo, completo e bem explicado do que um texto de 30 linhas que explique as coisas pela metade e de qualquer jeito. Reclamar do tamanho do artigo não é crítica, é frescura.

    ResponderExcluir
  9. Muito boa a sua explicação. Não foi longa, o problema que em alemão, assim como em portugues temos regra demais. Obrigada por nos ajudar.

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a explicação. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  11. Olá professor,
    Uma maneira correta de escrever a frase do desafio da Dica 2 seria esta forma abaixo?
    Se houver erros ou outras variações, o senhor pode me informar por favor?

    "Ich habe versucht der Tür von dem roten Auto öffnen, dass war auf die Straße Goethe geparkt, hinter von die Kathedrale."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o correto ficaria (na segunda parte):

      Ich habe versucht die Tür des roten Autos zu öffnen, die hinter der Kathedrale, die auf Goethestraße liegt, geparkt war.

      Excluir
  12. Eu escreveria:

    Ich habe versucht, die Tür von dem roten Auto meiner Mutter, das hinter dem Dom auf der Goethestraße geparkt war, zu öffnen.

    Mas fico na dúvida se deveria colocar o genitivo duas vezes:

    Ich habe versucht, die Tür des roten Autos meiner Mutter, das hinter dem Dom auf der Goethestraße geparkt war, zu öffnen.

    Como também se eu colocasse "zu öffnen" depois de "meiner Mutter" estaria correto?? :/

    ResponderExcluir
  13. Nada de longo. Perfeita explicação, clara e maravilhosa. Prende a gente. Até mesmo a quem já sabe falar a língua. Está de parabéns como todos os outros posts.

    ResponderExcluir
  14. E quando é trennbare verb?
    exemplo?
    1- "Er fängt an zu streichen"
    2- "Er fängt an, die Wand zu streichen"

    ou normal mesmo:

    3- "Er beginnt zu kochen"
    4- "Er beginnt, kartoffeln zu kochen"?

    ambas as formas estão certas?

    Obrigado gostei muito do blog.. li praticamente todo em 1 semana! :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...